Certificação

APRESENTAÇÃO

É um conjunto de atividades realizadas por uma organização de terceira parte (organização independente) para atestar e declarar que um produto, serviço, pessoa ou sistema está em conformidade com os requisitos técnicos especificados.

Estas ações são materializadas através da emissão de um certificado (documento emitido, de acordo com as regras de um sistema de certificação, para declarar a conformidade às normas técnicas ou a outros documentos normativos) ou da marca de conformidade (marca registrada aposta ou emitida, de acordo com as regras de um sistema de certificação, para declarar a conformidade às normas técnicas ou outros documentos normativos).

As organizações de terceira parte são normalmente denominadas Organismos de Certificação (OC), ou Organismos de Certificação Credenciados (OCC), quando são credenciadas por um organismo de credenciamento como por exemplo o INMETRO.

A Norma ISO 9000 é reconhecida como um standard de garantia da qualidade, definindo responsabilidades e procedimentos a seguir, garantindo um funcionamento ótimo do sistema.

Assim como a Norma ISO 9000, existem diversas normas, onde após implantação do sistema, há possibilidade da certificação.

A empresa tem que organizar e preparar uma série de documentos e procedimentos escritos associados à implementação do seu sistema da qualidade, que integrarão um dossiê final que se destina a ser apreciado por um dos organismos de certificação.

Ou seja, aqueles procedimentos serão controlados através de uma auditoria, tendo como objetivo final a obtenção do certificado de conformidade.

As organizações de terceira parte são normalmente denominadas Organismos de Certificação (OC), ou Organismos de Certificação Credenciados (OCC), quando são credenciadas por um organismo de credenciamento. No âmbito do SINMETRO, o organismo credenciador é o INMETRO.

No Brasil a atividade de certificação é desenvolvida, nos mais variados setores industriais, dentro das regras do Sistema Brasileiro de Certificação – SBC (ver credenciamento) ou de outros sistemas oficiais de avaliação da conformidade.

A Certificação pode ser de caráter voluntário, cuja decisão é exclusiva da empresa que fabrica o produto ou fornece o serviço; ou compulsório, estabelecida pelo governo para comercialização de produtos e serviços.

Existem atualmente no Brasil muitos produtos, serviços, pessoas e sistemas certificados no âmbito do SBC. Se você quiser consultar entre em Base de dados:INMETRO ou ainda ABNT/CB25.

O que é necessário para uma empresa se certificar ?

A empresa deve conhecer as Normas vigentes tomar a decisão e preferencialmente conseguir apoio de consultoria, fazer formação de quadros e de todo o pessoal definir um cronograma organizar o seu Manual da Qualidade (este deve ser feito pelo pessoal da empresa e nunca pelo consultor) pedir auditoria a um organismo de certificação credenciado (OCC).

A certificação de empresas não é obrigatória – decisão de certificar uma empresa é facultativa, devendo ser tomada pelo seu responsável máximo.

Um pedido de certificação exige um grande envolvimento das diversas partes da organização, pelo que a empresa tem de o querer. Contudo, cada vez mais se torna uma imposição do mercado, mesmo a nível internacional. A certificação de empresas não certifica os produtos.

A certificação segundo as Normas ISO 9000 refere-se aos Sistemas de Garantia da Qualidade (SGQ) implementados na empresa e não à qualidade intrínseca dos produtos e serviços fornecidos aos clientes, para os quais existem outros processos de certificação.

A certificação de empresas não é para sempre

Qualquer certificação é temporária, pois o standard ISO 9000 obriga uma empresa a efetuar revisões periódicas ao sistema, através da realização de auditorias internas (auditorias de acompanhamento). O certificado indica a sua data de validade e o respectivo âmbito.

A certificação de empresas tem vantagens

A certificação tem vantagens tanto a nível interno da empresa, como a nível externo. Internamente, verifica-se uma melhoria do funcionamento da organização, a diversos níveis: a certificação atua como um fator motivador, ao exigir a participação de todos, e ao estabelecer obrigações na formação dos recursos humanos, contribuindo para a criação de uma nova cultura no sentido da melhoria contínua da qualidade da empresa; determina, ainda, a definição clara de responsabilidades; contribui para a redução de custos, devido à diminuição de desperdícios, rejeições e reclamações.

Ao nível externo, mesmo internacional, a certificação confere uma melhor imagem da empresa, contribuindo para atrair a confiança dos seus clientes, atuais e potenciais. Há setores em que a empresa tem dificuldade em sobreviver se não implementar um sistema da qualidade.

A certificação de empresas tem custos

A opção pela certificação tem custos, os quais serão compensados por uma redução sensível dos custos da não qualidade. As despesas inerentes à implementação de um Sistema de Garantia da Qualidade dependem do estado em que se encontra a empresa nesta matéria, bem como do setor de atividade em que a mesma se posiciona, distribuindo-se por itens como os seguintes: sensibilização e formação do pessoal, reformulação e redação de novos procedimentos, elaboração do manual da qualidade, tempo despendido pelos diretores das empresas e pelos seus colaboradores na preparação do respectivo dossiê, entre outros. Os custos da certificação são, por vezes, apoiados por programas de financiamento.

A certificação de empresas não é o grande objetivo da QUALIDADE

Certificar uma empresa deve significar o seu limiar mínimo de bom funcionamento, o ponto de partida para atingir a qualidade total, pois o mercado (concorrentes e clientes) continuará em mutação.

A certificação e o Comércio Internacional

Ao longo das últimas décadas, especialmente na década de 1990, tornou-se crescente a necessidade de apresentar certificação de sistemas de gestão (com base nas normas ISO 9000 e ISO 14000, entre outras) e de produtos para viabilizar relações comerciais entre empresas de diferentes países.

Em razão destas exigências, as exportações de produtos e serviços passaram a impulsionar o crescimento e fortalecimento dos sistemas nacionais de certificação e credenciamento nos mais variados países.